Review: “Nightmare Logic” – Com Spoilers!

Minha review do episódio “Nightmare Logic” (14.05) de Supernatural.

Esse episódio abordou questões muito interessantes, uma delas foi a dúvida que Sam teve em si mesmo. Se estava no caminho certo como o líder daquelas pessoas. Apesar dos elogios de Dean e Mary, e até o pedido de desculpas do Bobby no final, será que Sam se convenceu? Me parece que a relação dele com os caçadores e como líder pode mudar nos próximos episódios. Algo me diz que toda essa dinâmica irá mudar em breve, embora eu não gostaria que isso acontecesse. Gosto desse Sam líder e tomando decisões importantes. Sam pareceu bastante envergonhado liderando aquelas pessoas na frente de Dean (quando Dean aparece na sala no momento em que Sam está dando instruções aos caçadores), mas senti que Dean aprova esse lado de Sam e acaba deixando isso bem claro no final do episódio.

Outro ponto interessante no começo do episódio foi ver a organização de Sam com as caçadas, os caçadores fazendo check-in em um sistema e postando vídeos, me lembrou os “Homens das Letras” (britânicos) que usavam da tecnologia e diziam que os caçadores Americanos eram amadores (ou uma classe baixa/não digna), enquanto eles eram “caçadores de elite”. Será que Sam vai adiante com esse novo jeito de caçar e liderar? Espero que sim!

Nesse episódio conhecemos Sasha, uma mulher que guardar rancor de seu pai por toda uma vida de distância. O conselho que Dean dá à Sasha, ele mesmo não consegue pôr em prática, quando o fantasma da culpa volta o atormentando. O que Dean fala para a moça realmente me tocou. O quanto da vida nos perdemos por guardar rancor do passado?

Dean: Posso te dar um conselho? Esqueça. O passado é… Não há nada que possa fazer sobre isso agora, então… É só peso morto. Esqueça, você vai se sentir muito mais leve.
Sasha: É isso o que você faz?
Dean: Eu tento. Todo santo dia.

Em paralelo a isso, descobrimos que Bobby era pai, no mundo alternativo, e perdeu o filho na guerra. O pior pesadelo de Bobby é imaginar como seu filho morreu e o que vemos no episódio é apenas a projeção da mente de Bobby e não necessariamente o que de fato aconteceu com Daniel. Assim como o próprio Bobby revela no final que não sabe como Daniel morreu. Mary agora tem a difícil missão de fazer Bobby seguir em frente e deixar para atrás a culpa. Aliás, não consigo decidir se gosto ou não desse plot romântico dos dois! rs

Esse episódio me levou a crer que com o plano de Michael vamos rever nessa temporada algumas criaturas que estavam “esquecidas”. No episódio ScoobyNatural, Castiel menciona um caso envolvendo um Djinn, mas a última vez que de fato um episódio envolvia essa criatura, foi o “Bloodlines” (da nona temporada) e talvez não possamos considerar esse episódio pois ele foi o piloto para um spin-off de Supernatural, lembram? Então, se não considerarmos esse episódio, a última vez que um Djinn apareceu na série foi na oitava temporada, no episódio “Pac-Man Fever”. Wow, seis temporadas atrás! Apesar de já ter visto falhas em Supernatural na falta de lógica de continuidade em algumas histórias, neste episódio foram feitas algumas referências interessantes (vou falar sobre elas em outro post depois), a que chamou mais atenção com certeza foi o momento em que Dean lembra que foi capturado por um Djinn no episódio “What Is and What Should Never Be” (láááá na segunda temporada!) e por isso ele reconhece o equipamento, descobrindo que o enfermeiro se tratava de um Djinn. A grande pergunta que esse episódio deixou foi: O que o Djinn descobriu quando entrou na mente de Dean? #QueMedo

Audiência do episódio (Canal CW – EUA): 1.41 milhões de espectadores.
Nota: ♥♥♥♥ (4/5)

Digam aí, o que acharam do episódio?