Entrevista Traduzida: Jared Padalecki fala sobre Walker para a EW
Destaque Entrevista Notícias

Jared Padalecki falou sobre tudo, desde a inspiração do reboot até se acostumar com seu cabelo mais curto.

Artigo original EW – Por Samantha Highfill 
Traduzido pela equipe JPBR.

ENTERTAINMENT WEEKLY: Eu sei que a ideia para tudo isso começou com você, então como surgiu?
JARED PADALECKI: Já havíamos anunciado que a 15ª temporada de Supernatural seria a última, e ao mesmo tempo todas as migrações de fronteira e famílias sendo dilaceradas. Eu li algo falando sobre como alguns policiais não conseguiam colocar uma criança em uma gaiola e levar seus pais. Eles se pegaram dizendo: “Não posso. Sei que estou vinculado ao meu dever, mas isso não parece certo.” Lembro-me de ler e dizer: “Isso é tão interessante para mim, quero ler mais sobre isso. Quero saber quem é essa pessoa e o que levou alguém a pensar, ‘me inscrevi para servir e proteger, não para possivelmente colocar alguém em perigo.’ ” Eles eram obrigados pelo dever, mas também tinham seu próprio código moral.

Você não planejou atuar nisso originalmente, correto?
Correto. Eu queria parar de atuar. Eu não queria sair totalmente do negócio, mas pensei, ‘preciso descobrir quem eu sou’, passar um tempo com o Jared. Além disso, eu queria tirar algum tempo depois de Supernatural para lamentar Supernatural. Mas aí eu pensei, se alguém quiser que eu participe, tem que filmar em Austin. Se eu quisesse filmar em qualquer lugar diferente de Austin, onde minha família está, então eu teria ficado em Supernatural. A principal razão pela qual Jensen [Ackles] e eu decidimos deixar Supernatural descansar, pelo menos por agora, foi que nossas esposas e filhos viviam em um país diferente e nós os víamos quatro dias por mês às vezes. Então percebemos que Austin é a sede do Texas Rangers. Então meu empresário Dan Spilo me perguntou se eu tinha algum showrunners com quem gostaria de trabalhar, e o primeiro nome que saiu da minha boca foi Anna Fricke. Dan disse que ela provavelmente tinha um acordo em algum lugar e, com certeza, descobrimos que Walker, os direitos, era propriedade dos estúdios da CBS e que Anna tinha um acordo com a CBS. Foi o destino.

Qual era a sua relação com o original, ‘Walker Texas Ranger’?
Eu não era um super fã, mas cresci com isso, vi a maioria dos episódios. Foi parte de crescer no Texas. Era enorme por toda parte, mas certamente era enorme aqui. Mas esse show é muito diferente. Não se chama Walker, Texas Ranger, e isso é por mais de um motivo, mas principalmente porque este não é um programa sobre um Texas Ranger que tem uma família. Este é um programa sobre um pai de família que vai trabalhar como Texas Ranger. É quase mais como Gilmore Girls do que Supernatural.

Em que Cordell Walker é diferente de Sam Winchester?
Ele é um pouco mais Han Solo do que Luke Skywalker. Ele não é necessariamente o cara super pensativo, super orientado para a pesquisa, que lê o livreto de instruções. Ele é mais um cara de atirar com força. Ele confia em seus instintos. Ele também é muito pai e viúvo. O que o move é tentar descobrir como viver como pai depois de perder a companheira, que fazia todo o trabalho pesado em casa, e ainda tem um trabalho que exige muito. É muito pelo que Jared estava passando. Eu chegava em casa de Vancouver e minha esposa Gen estava com as crianças por duas semanas às vezes e eu pensava, “Onde eu me encaixo aqui, porque tenho que voar de volta para Vancouver em 24 horas para filmar por mais duas semanas?” Estou tentando fazer o melhor que posso, mas meus filhos estão acostumados com minha esposa. O paralelo parece muito real. Mas Sam e Cordell estão ambos assombrados. Ambos passaram por uma perda terrível e têm um trabalho muito difícil. Sam, de uma forma estranha, provavelmente lidou com isso de uma maneira mais saudável do que Cordell. Cordell provavelmente bebe um pouco demais e é mais cáustico do que Sam seria.

Há um mistério maior na série sobre o que aconteceu com a esposa de Cordell, mas haverá um elemento mais processual semana após semana também?
Não queríamos que fosse como, “Ei, esta é a primeira cena e há um bandido e ele roubou um monte de relógios de uma joalheria, e procuramos por ele e o encontramos e então todos brindamos e damos high-five no final do episódio.” Além disso, não podemos dar o high-five durante o COVID. Nós brindamos no Zoom. Não, Walker sendo um Texas Ranger e precisando fazer os tipos de coisas que os Texas Rangers precisam fazer é uma parte importante da série, e acho que muito desta primeira temporada está tentando mostrar ao público como pode ser difícil preocupar-se tanto com sua família e amigos, mas também ter um trabalho muito exigente que poderia salvar vidas se bem executado. Haverá episódios em que os Rangers conseguirão um caso e serão chamados porque isso requer um pouco de pensamento inovador que talvez outras agências de aplicação da lei não tenham permissão para fazer, então temos isso.

Questão mais importante: no trailer, há um momento muito impressionante quando Walker pula uma cerca a cavalo. É você no cavalo?
Não, não era eu. Sou eu dirigindo o carro, e sou eu cavalgando e amarrando. Eu monto cavalos. Não sou faixa preta em equitação, mas passei muito tempo cavalgando e atando [para isso]. Mas filmamos isso no início. Eu certamente teria tentado, mas acho que o pensamento deles foi: “Temos um piloto de 12 dias, não queremos que nosso ator principal/produtor executivo caia com o pé quebrado no dia 3.” Então meu dublê e nosso coordenador de dublês fizeram essa parte. Tive uma conversa engraçada outro dia em que alguém estava tipo, “Você não é realmente um cara de rodeio, então como você pode interpretar um cara de rodeio?” Eu estava tipo, “Ouça, por 15 anos eu interpretei um cara que caçava demônios e que era Lúcifer por um tempo, então eu certamente tenho mais experiência em fazer coisas do tipo rodeio do que caçar demônios e vampiros. Acho que vamos ficar bem.” [Risos]

Você já se acostumou com o cabelo mais curto?
É estranho. Estou me acostumando com isso. Passei os últimos 20 anos da minha vida usando gorros. Estou usando muito mais bonés de beisebol e chapéus de caubói porque, do contrário, pareço um pouco estranho. Ainda amo meus gorros e estou usando um agora, mas dá muito menos trabalho, o que é ótimo. E eu nunca, exceto no set de Supernatural, eu nunca fiz meu cabelo de qualquer maneira. Portanto, esta é definitivamente uma mudança. Eu amo que é uma mudança visual muito óbvia de Sam Winchester. E parece diferente. Certamente me sinto mais como um Ranger do que se tivesse cabelo caindo no ombro, então isso ajuda. Estou me acostumando com isso.