Entrevista Traduzida: Cowboys & Indians (Edição Fev/Mar 2021)
Destaque Entrevista Magazine Notícias Walker

Confira abaixo a entrevista traduzida do Jared para a revista Cowboys & Indians, edição Fev/Mar 2021:

Artigo original Cowboys & Indians, por Joe Leydon.
Traduzido pela equipe JPBR!

Scans por Twitter @waywrdaughter67


Confira todas as imagens deste álbum

Cowboys & Indians: Seus filhos já têm alguma ideia do que o papai faz para viver?
Jared Padalecki: Quer saber? Essa é uma pergunta muito engraçada. Haverá momentos em que Genevieve e eu teremos que trabalhar um pouco. E então vamos colocá-los na frente de um vídeo do YouTube ou algo assim. E então as sugestões aparecem na tela. E então eles viram que eu estive em coisas diferentes – e tenho certeza que eles viram cenas diferentes que eu fiz e que provavelmente preferiria que eles não vissem na sua idade. Então decidimos ir em frente e mostrar a eles um pouco do que acontece e dizer a eles: “Ei, é assustador – mas é falso.” Tipo, “Aqui está papai, ele está brigando. Mas você tem que se lembrar que pai, ele tem profissionais que colocam sangue falso nele, assim como fazemos no Halloween.”

Curiosamente, conversamos sobre isso ontem. E minha esposa e eu dissemos a eles: “Isso é só fingimento. Ninguém está em perigo, ninguém está se machucando. Estamos apenas fingindo, como quando estamos brincando de perseguição e eu rosno para você e você foge.” E então, eles meio que têm uma ideia do que eu faço. Acho que eles são um pouco jovens para entender exatamente o que está acontecendo. Mas eles sabem que papai vai trabalhar e fingir.

Seguindo as mesmas linhas: eu me lembro de uma vez que filmei uma cena para Supernatural onde meu personagem tinha sido meio espancado. E eu estava com um olho roxo e tinha sangue nos meus lábios e sangue saindo do meu nariz. Bem, recebi uma ligação do FaceTime de casa enquanto estávamos filmando em Vancouver, então atendi pensando que era minha esposa. Mas era um dos meus filhos ao telefone. E a primeira coisa que veem é papai parecendo todo machucado. E eu tive que dizer, “Ei amigo, isso não é real.” E eles disseram, “Bem, eu não quero ver você com sangue.” Então eu disse: “Bem, eu tenho que usar este sangue por mais algumas horas. Mas depois que você for para a cama e eu terminar de trabalhar, farei um vídeo meu lavando o sangue para que você saiba que é falso.” E foi isso que eu fiz. Eu gravei o vídeo e o encaminhei para Gen. E de manhã, ela foi capaz de mostrar a ele e dizer a ele: “Veja, papai não estava realmente ferido.”

C&I: Eles já estiveram perto de você quando você foi abordado por fãs que te viram em Supernatural – ou, antes disso, quando você era um personagem regular da série Gilmore Girls?
Padalecki: Oh, claro. Nos dias pré-COVID, se íamos para um restaurante ou aeroporto, às vezes as pessoas vinham e tiravam uma foto. E meus filhos falavam: “Esse é seu amigo?” E eu dizia: “Bem, esse é meu novo amigo”. E, felizmente, as pessoas que conhecem meu trabalho geralmente são fãs dele. Eles vêm e dizem coisas como: “Ei, eu realmente gosto desse filme. Meu amigo e eu assistimos outro dia.” [Risos] Ou alguns caras podem dizer: “Ei, odeio admitir isso, mas assisto Gilmore Girls”. E eu direi: “Tudo bem, cara. É um bom show.”

C&I: Cerca de um ano após o lançamento de Forrest Gump, entrevistei Tom Hanks no lançamento da Apollo 13. E concordamos que, embora ele pudesse ansiar por desfrutar de uma longa carreira com muitos outros papéis gratificantes – o que ele certamente tem – ele quase certamente nunca mais faria parte de um fenômeno tão grande como Forrest Gump. Você se pega pensando da mesma forma sobre Supernatural?
Padalecki: Posso ver isso 100 por cento. Não estou tentando canalizar Tom Hanks aqui, e não o conheço, mas posso entender do que ele está falando. E uma razão pela qual Supernatural pode ser meu Forrest Gump é, essa foi sua própria concepção. Você sabe, as pessoas sempre dizem sobre qualquer um que interpreta o Superman: “Bem, agora ele é o Superman para sempre.” Mas o Superman já existia. E então você está pulando em algo que você não criou do zero. Enquanto com Forrest Gump, Tom Hanks estava apresentando um personagem totalmente novo. E Forrest Gump como um todo parecia estar dizendo a você: “Ei, vamos criar essa nova história. Vamos criar este mundo, este personagem, esta arte, e esperamos que todos gostem tanto quanto nós. ”

E não é para me gabar, mas é bem assim que me sinto com Supernatural. Eu era, suponho, Sam Winchester desde a primeira vez que eles falaram “ação” em Supernatural. E então, eu sinto que estava lá desde o início, dizendo: “Bem, estamos meio que criando esse novo mundo estranho juntos. Existem esses personagens novos, e você não sabe o que vai acontecer com eles. Vamos apenas seguir o fluxo. ”

C&I: E seu público seguiu o fluxo – por 15 anos. Isso é notável.
Padalecki: Quinze anos é uma vida inteira – literalmente, às vezes as vidas não duram 15 anos. E até o fim, a gente estava muito ciente disso, e tentamos honrar isso, e tentar respeitar isso. E entenda que hey, esses personagens estão com as pessoas há muito tempo. Olha, eu conheci pessoas que vieram e meio que me bateram no ombro e disseram: “Cara, eu cresci com você.” E eu olho para eles e penso comigo mesmo, bem, você é um adulto. Mas então eles dirão algo como: “Sim, tenho 22 anos, mas tenho assistido você desde os 7 anos”. E é quando eu penso: “Oh, meu Deus. Eles realmente me deixaram crescer com eles.” De longe, claro. E talvez eu realmente não os conhecesse. Mas é como se você fosse para a escola com alguém, começando no jardim de infância, e fosse até o ensino fundamental e colegial. E até na faculdade. E você é a mesma pessoa o tempo todo. É assim que Supernatural tem sido para mim.

Para voltar à sua pergunta: Sim, sinto que nunca mais experimentarei um fenômeno como esse. Eu comecei a série quando tinha 22 e terminei quando tinha 38. E então, mesmo que Walker faça 15 anos, realmente não será o mesmo porque agora sou um homem adulto. Eu sou um marido, sou pai de três filhos… Francamente, se Supernatural é o show e o papel no qual pendurei meu chapéu até meus últimos dias, então ficarei muito orgulhoso. Eu dei tudo o que tenho. E muitas vezes eu dei mais do que eu tinha. Todos nós sangramos juntos, suamos juntos e choramos juntos. É uma verdadeira honra olhar para trás agora que está feito e pensar, cara, e eu fiz parte disso. Isso é realmente poderoso.

C&I: A propósito, falando de Tom Hanks: ele sempre fala sobre sua enorme coleção de máquinas de escrever. Eu entendo que você tem sua própria obsessão: relógios.
Padalecki: Acho que obsessão é para dizer o mínimo. Existe uma palavra mais intensa do que obsessão? Sim, sou fascinado por relógios e cronometragem, e pelos aspectos mecânicos e mágicos da ideia de alguém se sentar e criar algo que pode ser montado e marcar o tempo. E eu os amo pelo que isso significa. Alguns dos melhores presentes que já recebi foram relógios. E quando tento encontrar um bom presente para alguém para alguma coisa, para algum tipo de evento em sua vida, tento achar um relógio. Mas, sim, sou completamente obcecado por relojoaria.

C&I: Você possui um Apple Watch?
Padalecki: Sim, mas tenho mais tendência para o relógio analógico. Parece que posso segurar um pedaço da história no meu pulso. E é quase como um pequeno feitiço ou algo que o reconfigura. Você pode olhar para baixo e ter aquele momento só para você. Você não está olhando para este mundo louco. Você não está olhando para o seu telefone; você não está olhando para o seu iPad, computador ou TV. É o momento de você mesmo olhar para baixo e verificar. E espero que aprecie até certo ponto o nível de domínio técnico necessário para colocar essa pequena coisa junta. E essa é uma das muitas razões pelas quais eu gosto de relógios.

C&I: Sua casa certamente tem um sabor distinto do Texas. E não estou falando apenas de arquitetura.
Padalecki: [risos] Acho que isso tem a ver com o relógio. Tenho um grande apreço pela história e tradição. E eu preferia muito mais arte de 80 anos atrás do que arte de oito meses atrás. Portanto, temos uma ótima parafernália do Texas em exibição. E temos algumas réplicas de cartas do Álamo, mapas antigos originais do Texas. E as velhas notas fiscais da ferrovia do Texas, a moeda original do final dos anos 1800 e outros enfeites. É disso que gosto de me cercar. Isso me dá uma sensação de calma. Isso me lembra de ser reverente com o que veio antes de mim. Temos os exteriores de pedra calcária. E nós temos um grande e velho touro de aço no jardim da frente, no qual tenho praticado meu laço. Mas, sim, sou um grande fã de arte e recordações clássicas do faroeste. Temos algumas fotos de Edward Curtis. Como eu disse, isso me dá uma grande sensação de calma e paz quando chego em casa depois de um dia agitado.

C&I: Um abrigo contra a tempestade em mais formas do que uma nos dias de hoje, certo?
Padalecki: Verdade. Vivemos a apenas 20 minutos de carro do centro de Austin. Mas temos alguns acres e temos galinhas, coelhos, abelhas, cachorros e um jardim. Parece que vivemos em nosso próprio rancho. Mas podemos entrar no carro e jantar no centro da cidade em 20 minutos. Claro, não temos conseguido fazer muito disso ultimamente. Mas é ótimo ter este lugar durante a quarentena. Podemos ser apenas uma família em nossa propriedade.

C&I: Por fim, voltando a Walker: quão intensa tem sido sua agenda de trabalho quando você se aproxima da data de estreia?
Padalecki: Muito. Nós originalmente deveríamos terminar Supernatural na primeira semana de abril e então começar Walker duas semanas depois. E então, eu sabia minhas falas para o piloto em março. E então 13 de março – sexta-feira 13 – fomos mandados de Vancouver para casa porque tínhamos uma pandemia iminente, e ninguém sabia como as coisas iriam ficar. E então tem havido um acúmulo. Eu me sinto como se estivesse em um touro sentado atrás do portão, dizendo, “Me deixe sair, me deixe sair, me deixe sair, me deixe sair! Deixe-me trabalhar! Deixe-me fazer minhas coisas! ” Tem havido tanta expectativa e estou tão ansioso para começar.

Você coloca muitas exigências sobre si mesmo, coloca muitas expectativas sobre si mesmo, e você só quer chegar lá e fazer isso. Eu amo desenvolver um programa, desenvolver uma história, mas eu estava pronto para filmar o piloto por oito meses antes de finalmente começarmos a filmar.

Mas tenho que admitir: estou me divertindo muito. Basta pensar, estou interpretando um personagem que precisa estar a cavalo e galopando. E então no dia seguinte eu estou fazendo uma cena de luta. Então você acaba com o dia de cavalgada, e então você tem que ir para o ensaio de dublês e seguir esses movimentos. Temos que começar cedo porque o sol nasce às 6h30 ou 7h, e precisamos estar prontos para filmar [então] porque o sol vai se pôr por volta das 17h30. Temos 12 horas de trabalho que temos que encaixar em 10 horas. Portanto, é uma espécie de situação com todas as mãos à obra. Mas é maravilhoso. Eu sinto que é um constrangimento de riquezas. Meu copo transborda. E estou tão animado para fazer tudo isso. Às vezes, sinto que preciso de 36 horas por dia para fazer isso. E então eu vou para casa, e sou marido e pai.