Traduzido: Jared publica texto nas redes sociais sobre BLM
Notícias Redes Sociais

Jared Padalecki fez um belo texto e compartilhou em suas redes sociais falando principalmente sobre a paternidade (no domingo foi comemorado o dia dos pais nos EUA) e o movimento “Vidas Negras Importam” (BLM – Black Lives Matter). Confira abaixo a tradução feita por nossa equipe:

Olá! Feliz Dia dos Pais para todos os outros pais por aí! Espero que todos estejam sãos e salvos e cercados por pessoas às quais você possa apoiar descaradamente (todos nós precisamos disso agora). Bem, eu não sou a favor de brincadeiras, então, como Chris Cuomo diria, vamos atrás disso… Uau … Que mundo interessante e louco em que todos nós nos encontramos agora. Um mundo cheio além da borda com confusão e conflito, calúnia e aclamação, vida e (com muita frequência e muito cedo) morte. No meu próprio mundo egoísta, esses últimos meses suscitaram uma série de perguntas: quem serei sem o meu emprego? Que tipo de pai serei sem a disponibilidade interminável de desculpas e explicações de “Desculpe pessoal, tenho muito trabalho a fazer amanhã, nesta semana, este mês, este ano”, de “Bem, se eu simplesmente tivesse tempo, eu seria um companheiro de equipe muito melhor para aqueles que eu amo e que precisam de mim, certo? “… Sem entrar em detalhes chatos, as respostas para essas perguntas me decepcionaram. A perda tangível de propósito, utilidade e direção me impressionou um pouco (para empregar hipérbole em uma afirmação que não existe). (1/8)

Fiel à forma, deixei-me sucumbir à autopiedade e desilusão que certamente seguiriam … Era uma experiência inevitável, mas invulgar. Me despedi da minha rotina. Me despedi de uma cidade que conheci e amei. Eu me despedi de meus colegas de elenco e equipe que eu estava entrincheirado diariamente por quase 15 anos. Dou um adeus emocional ao meu amigo Sam Winchester (um adeus que virá mais uma vez, embora com mais finalidade). Eu disse adeus, em certo sentido, à minha identidade. Me despedi do mundo que conhecia há uma década e meia. Mas não precisava me despedir da respiração e do batimento cardíaco. A “nova realidade” de viver em quarentena obrigatória e ver os tiques “Novos casos” e “Novas mortes” subirem diariamente, sem serem convidados e indesejados, me colocam em um pouco de catarse calejada. À medida que os números aumentavam, eu hesitava em ser eternamente grato por “eu e os meus” estarem sãos e salvos, e ser estripado por haver MUITOS que precisavam oferecer suas despedidas finais via Skype, FaceTime ou um recentemente higienizado telefone de quarto de hospital e com certeza ficará imaginando o que “poderia ter sido” se o que “deveria ter sido” tivesse sido manifestado. Então aconteceu… (2/8)

Em meio ao ataque de vidas quase anônimas tomadas muito cedo, todos nós fomos confrontados com imagens de vídeo da despedida final de um ser humano; um ser humano cujo fôlego foi extinto. Não por qualquer culpa sua, não por acaso ou casualidade, não por uma pandemia sem rosto e cruel, mas pelas decisões e atos de um assassino que, aparentemente, não valorizava a vida de outro ser humano por causa da cor de sua pele. Conversei com um amigo meu logo após essa tragédia sem sentido e horrível. Meu amigo também é um pai branco, nascido e criado no sul (e, podemos ou não ter parado alguns trens na Europa uma vez …). Nós dois estávamos perdidos, tentando descobrir o que poderíamos fazer, o que DEVEMOS fazer e, pungentemente, o que nunca teríamos que fazer. Conversamos sobre ter uma conversa com nossos próprios filhos. Só que não “aquela conversa” que tantos outros TEM QUE ter neste ambiente. Conversamos sobre ter uma conversa com nossos filhos sobre “a conversa” que nunca teríamos que ter com nossos filhos. Conversamos sobre ” a conversa” que alguns outros são forçados, sem culpa ou ações próprias, a ter. Falamos sobre “a conversa” que leva a uma perda prematura de inocência que, nojenta, se tornou uma necessidade neste mundo cheio de ódio. (3/8)

“A conversa” que alguns pais têm que ter com seus filhos para protegê-los de julgamentos injustos e danos… Para ir direto ao ponto, nós conversamos sobre contar aos nossos filhos o que os pais negros têm a dizer a SEUS filhos para tentar mantenha-los o mais seguro possível em um mundo onde eles serão julgados puramente pela cor de sua pele. Foi de partir o coração. Estripando. E estávamos discutindo isso do ponto de vista de um pássaro, enquanto os pais negros precisam encará-lo como, horrivelmente, uma situação de vida ou morte. Eu tive essa conversa com meus filhos, o melhor que pude com crianças de 8, 6 e 3 anos. Eu sei que ele fez também. No entanto, eu sei que uma conversa não é suficiente. Eu sei que, para realmente “pai” e “cuidador” de pequenos humanos que precisam de orientação, essa conversa será necessária repetidamente. Prometo, neste dia dos pais, não renunciar a essa responsabilidade. Às vezes, sou um pouco lento na aceitação. Especialmente quando há algo significativo e sério, algo que solicita, NÃO, EXIGE retrospecção e introspecção sóbrias. Desta vez não foi exceção. Eu sei que ainda tenho muito a aprender. (4/8)

Geralmente, estou inclinado a recorrer àquilo que funcionou para mim no passado, e não acho que a VERDADEIRA “mudança” e “crescimento” ocorram através de algum post ou retweet motivacional ou inspirador da mídia social (reconheço a ironia, já que essa diatribe está sendo enviada via mídia social …). A verdadeira mudança não vem em axiomas abstratas, destinadas a ninguém em particular. A verdadeira mudança e crescimento é difícil, e só se manifesta com introspecção e orientação difíceis e constantes, e exemplo, não através de algum “post” ou “retweet” para um golpe de dopamina imediato mas efêmero. Eles são legais, com certeza, e eu estaria mentindo se tentasse afirmar que nunca fui chamado à ação por palavras que eu li, fotos que vi, mantras que adotei e repeti. Nasci nos “anos milenares” (grrrr), mas ainda aprendo através dos meios da geração X. Ou seja, ouço e esqueço. Entendo e eu me lembro, eu faço e entendo. Neste dia dos pais, prometo “fazer” tudo o que puder para me educar e ser um melhor defensor desses e quem precisa de ajuda. Percebi, profundamente e com pesar, que eu poderia ter sido parte do problema o tempo todo. Nunca me considerei o tipo de pessoa que “julga um livro pela capa”. Não levo em consideração se a pessoa do outro lado da mesa é do sexo masculino ou feminino, alta ou baixa, gorda ou magra, gay ou hétero, preta ou branca. Eu sempre fui inclinado a pesar os outros (5/8)

com base em algumas medidas de “mérito”: são de mente aberta? Eles são gentis? Eles são humildes? Eles são honestos? Eles pretendem apoiar ou destruir? Eles pretendem apoiar ou menosprezar os outros? No entanto, entendo agora que a ausência de julgamento não é igual a apoio. Simplesmente ver os outros como “iguais” NÃO leva em consideração a realidade desconfortável e trágica de que eles não são tratados como iguais desde o dia em que saíram de suas casas. O simples fato de saber e acreditar que todos somos criados iguais ignora a dura realidade de que há pessoas que estão sendo julgadas ativamente pela cor de sua pele que foram derrotadas e reprimidas por gerações e gerações. Eu preciso fazer mais. Não quero dizer que preciso “twittar mais” ou “postar mais”, pois não acho que existam racistas desprezíveis por aí que verão minhas postagens e pensem: “Bem, eu serei amaldiçoado. Jarpad disse que odeia racismo, então acho que devo parar e deixar de ser racista!” O racismo é deplorável, e os racistas são repreensíveis. Ponto final. Quero dizer que preciso me educar o máximo possível para causar uma impressão real e permanente naqueles que precisam de orientação. Existem milhares de livros, podcasts, entrevistas, filmes e programas de TV (entre outros) que podem servir para abrir nossos paradigmas a um mundo que (6/8)

devemos procurar entender, embora nunca possamos realmente experimentar. Para o fim, neste Dia dos Pais, prometo “fazer” o melhor que posso. Comprometo-me a estudar e aprender tudo o que puder daqueles que estão à minha volta; aqueles que não tiveram as bênçãos e fortunas com as quais nasci. Como pai, passei a acreditar que NÃO é meu trabalho apenas “manter as crianças alimentadas e protegidas”. Passei a acreditar que é meu trabalho e propósito pastorear meus filhos e, suponho, aqueles que possam me admirar por outras razões que não uma linhagem comum. Se tivermos a sorte de conhecer, verdadeira e intimamente, 100 pessoas nesta vida, essas pessoas poderão conhecer mais 100. E esses 100 podem conhecer mais 100 ainda. E esses 100 talvez conheçam mais 100, etc. etc. Então, estamos a apenas dois passos de fazer uma diferença tangível e acionável na vida de 10.000 pessoas. Apenas três etapas para fazer a diferença tangível e acionável na vida de 1.000.000 de pessoas. Apenas 4 passos para fazer uma diferença crucial na vida de 100.000.000 de pessoas. E, a menos de 5 etapas de fazer uma diferença real e duradoura em todo o mundo. (7/8)

Então (se você chegou até aqui), imploro a todos e cada um de vocês que sejam um “pastor” para as pessoas ao seu redor. Você pode não ter gerado um filho, mas seu impacto pessoal pode ser igualmente poderoso. Seja você pai, mãe, amigo ou “simplesmente” filho ou filha, VOCÊ pode causar impacto nas pessoas ao seu redor. Para citar minha musa, The Bard, “uma rosa com qualquer outro nome cheiraria tão doce”. Portanto, embora hoje seja o “Dia dos Pais”, todos podemos usar esse momento para ajudar a orientar as pessoas ao nosso redor. Neste dia dos pais, peço humildemente TODOS QUE “gerenciem” os que estão ao seu redor em seu círculo pessoal; amigos e familiares, colegas de trabalho e vizinhos, atendentes de postos de gasolina e baristas. Você também pode ajudar a administrar uma mudança positiva e verdadeira neste mundo que tanto precisa.

5 passos, pessoal.

#BLM

-jp

(8/8)

Por favor não reproduza sem os devidos créditos a este site!